Publicidade

Links anúncios:
Cartões Postais Virtuais
Agora você já pode enviar cartões postais virtuais!
Publicidade



R E D E S    S O C I A I S



Rating for vejaaqui.com

Vejaaqui.com - Aqui a cidadania tem lugar!

Sem brigas: Agora é a vez de Dilmécio

Atenção, abrir em uma nova janela. PDFImprimirE-mail

Última atualização em Qua, 22 de Outubro de 2014 11:36 Escrito por bew Qua, 22 de Outubro de 2014 11:23

videos-ver
AddThis Social Bookmark Button
 

A verdade sobre os debates na TV

Atenção, abrir em uma nova janela. PDFImprimirE-mail

Escrito por bew Qua, 15 de Outubro de 2014 09:17

debate

(*)

Os organizadores dos debates sempre dizem que querem que os debates nas Tvs proporcionem aos telespectadores a apresentação das propostas políticas dos candidatos, no entanto a própria forma dos debates e o próprio nome indica confronto de idéias, propostas e acusações mútuas.

Hoje existem formas de controlar as pautas de formas mais objetivas e diretas, por exemplo:

"Candidato X faça uma pergunta ao Candidato Y sobre o que fará na questão da Educação e quais serão as formas que utilizará para viabilizar seu projeto?"

"Candidato Y faça uma pergunta ao Candidato X sobre o que pensa em relação a dívida interna do país e quais os meios se valerá para resolver ou tratar esta questão?"

De forma que qualquer citação tipo: "seu governo", "seu antecessor", o fulano de tal disse que disse... haveria  um alerta sonoro, alertando que  isto não faz parte da pergunta!...

Pelo amor de Deus, nós telespectadores não somos trouxas, temos acesso a internet e sabemos que não estamos diante de "Santos e pecadores", de "bem e mal" estamos diantes de candidatos que devem apresentar seus projetos para resolverem os principais dramas do país. Mas também as TVs que organizam os debates são como pessoas que instigam os candidatos num molde de "debate" que apenas coloca um "cão" ao lado do "outro" e dizem aos mesmos para se comportarem bem diante de assuntos polêmicos, pessoais, da situação ou da oposição que apenas jogam lenha na fogueira e insinuam que já antes do debate começar que esperam um acirramento durante o decorrer do debate.

Na minha humilde opinião os modelos dos debates televisivos atuais são um verdadeiro desserviço a nação brasileira pois são mais  "latidos" que uma fonte de esclarecimento aos eleitores.

 

Clárison Avelar - editor vejaaqui.com

(*) imagem arquivo - apenas ilustrativo

 

AddThis Social Bookmark Button
 

Resultado da eleição para governador em Minas é uma resposta ao Brasil

Atenção, abrir em uma nova janela. PDFImprimirE-mail

Última atualização em Qui, 09 de Outubro de 2014 07:56 Escrito por bew Qua, 08 de Outubro de 2014 11:22

O povo mineiro em sua maioria deu uma resposta ao Brasil do que pensa em relação a administração "psdebista".

Realmente não temos o melhor modelo e por isso em nossa maioria resolvemos mudar para outra forma de gestão dos recursos.

- editor vejaaqui.com - Clárison Avelar

(*)imagem

           eleicoesMG2014

 

*Fonte: Divulga aplicativo para android (TSE)

AddThis Social Bookmark Button
   

Resultado eleições 2014

Atenção, abrir em uma nova janela. PDFImprimirE-mail

Última atualização em Dom, 05 de Outubro de 2014 17:32 Escrito por bew Dom, 05 de Outubro de 2014 17:22

aseleicoes2014

veja a divulgação de resultados direto pelo

site do TSE 

 

http://divulga.tse.jus.br/oficial/index.html

ou acompanhe através dos aplicativos para celulares

 

Acompanhe os resultados das Eleições 2014 pelo seu celular, baixe o sistema Divulga de acordo com a tecnologia do seu aparelho:

Divulga para iOS
Divulga para Android

Fonte:  www.tse.jus.br

AddThis Social Bookmark Button
 

Com cerca de 8 milhões de votos, sociedade pede constituinte do sistema político

Atenção, abrir em uma nova janela. PDFImprimirE-mail

Escrito por bew Seg, 29 de Setembro de 2014 14:33

 coletiva plebiscitoREFORMAPOLITICA2014

Por Luiz Felipe Albuquerque
Da Página do MST


Foram quase 8 milhões de votos. Para ser mais preciso, 7.754.436 de pessoas votaram no Plebiscito Popular por uma Constituinte Exclusiva e Soberana do Sistema Político. Quase a população inteira de Portugal. 

Destes, 97,05% disseram querer uma reforma do sistema político, ao votarem “Sim” entre a semana do dia 1 ao dia 7 de setembro.

O resultado do Plebiscito Constituinte foi divulgado na tarde desta quarta-feira (24), durante uma coletiva de imprensa na cidade de São Paulo. 

“Vitória” e “comemoração” foram as principais palavras ditas por João Paulo Rodrigues, da direção nacional do MST, e Vagner Freitas, presidente nacional do Central Única dos Trabalhadores (CUT).

“Esse resultado demonstra o acúmulo e o trabalho que foi feito nesses meses, tanto no ponto de vista do trabalho pedagógico, organizativo e de apresentar uma proposta do que queremos à sociedade brasileira”, disse João Paulo.

Para ele, os quase 8 milhões de votos demonstram que a sociedade quer fazer mudança no sistema político. “Esse resultado é muito mais preciso do que essas pesquisas de eleições do estilo Ibope e Datafolha, porque essa foi feita com quase 8 milhões que colocaram sua posição sobre o assunto”, ironizou. 

Vagner Freitas avalia que os 8 milhões demonstram que há caldo na sociedade para fazer as mudanças necessárias. “A única forma de fazermos nossa proposta andar é pressionarmos organizadamente; por dentro do congresso e por fora, e absolutamente nas ruas, ganhando a consciência popular das pessoas à nossa proposta”.

Segundo João Paulo, esse resultado é fruto das mobilizações de ruas que aconteceram nos últimos anos no Brasil, “de um processo de manifestação e luta. Quem foi às ruas disse: ‘queremos mudanças’; e com essa forma de representatividade não será possível”.

Ao todo, foram abertas mais de 40.000 urnas em todo o país, que contou com a participação de mais de 450 organizações sociais, resultando na construção de mais de 2.000 Comitês Populares organizados em todos os estados da federação. 

Entre os dias 14 e 15 de outubro, as organizações sociais envolvidas no processo realizarão uma Plenária Nacional em Brasília com cerca de 2 mil pessoas, quando entregarão o resultado final aos três poderes nacionais. 

Para João Paulo, os próximos passos será uma combinação de lutas sociais com campanha política e pedagógica junto à sociedade sobre qual é o melhor modelo de constituinte, para pressionar o Congresso a convocar um plebiscito oficial. 

A voz do silêncio

Vagner Freitas lembrou da blindagem de informação realizado pelos principais meios de comunicação convencionais durante toda a campanha. Para ele, o que aconteceu foi um processo de “desinformação, e o povo brasileiro tem o direito de ter a informação para formar sua opinião”, disse ao apontar a extrema necessidade de democratizar os meios de comunicação. 

Na mesma linha, Ricardo Gebrim, da secretaria operativa nacional do plebiscito, acredita que a campanha conseguiu pautar um tema que “evidentemente nossa classe dominante não quer e não aceita discutir”. 

Para ele, “é sintomático a ausência e ignorância da grande imprensa ao longo da campanha. Ao longo das eleições os principais candidatos à presidência votaram no plebiscito. É evidente que isso é um fato jornalístico em qualquer parte do mundo. Artistas, personalidades de renomes votaram, no entanto, eles ignoraram completamente”. 

Nesse sentido, Gebrim acredita que esse bloqueio midiático não foi em vão. “Essa ignorância não é casual, ela é um ato deliberado que expressa que não é de interesse da classe dominante. A classe dominante está contente com o sistema político, ela é beneficiária do sistema político".

As organizações envolvidas acreditam que a consulta à população foi o primeiro passo desse processo, garantindo legitimidade à proposta com os quase 8 milhões de votos e as mais de 120 mil pessoas que se envolveram ao longo da semana da pátria. 

“Eu arrisco dizer que a maioria desses votos, diferente de outros plebiscitos populares, se deu no meio sindical e em locais de trabalho. Portanto, esse talvez seja o plebiscito que teve a maior participação da classe trabalhadora”, aponta Gebrim. 

Na sua avaliação, essa proposta, diferente de outras questões, não abre aliança com a classe dominante. Nesse sentido, o próximo passo decisivo é ganhar as ruas. Porém, a tarefa não será fácil. “Vamos ter que ir às ruas basicamente com a classe trabalhadora e seus aliados populares, e enfrentar a classe dominante como um todo”. 

Fonte: http://plebiscitoconstituinte.org.br acesso em 29/09/2014

AddThis Social Bookmark Button
   

Pagina 1 de 26